Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de um café mal tirado

A Misteriosa Mulher da Ópera- Opinião

13.03.15, Crónicas de um café mal tirado

 

transferir (3).jpg

 

 

Um desafio. Sete autores (Alice Vieira, Afonso Cruz, André Gago, David Machado, Catarina Fonseca, Isabel Stilwell e José Fanha). Catorze mãos.
Sete personagens inesquecíveis. Uma única história. Uma trama arrebatadora que contém de tudo, desde crimes misteriosos, o fantasma de uma avó violinista, flûtes de champanhe, um gato persa chamado Psiché que por vezes se vê obrigado a fazer de pêndulo de Foucault, uma caixa de violino suspeita de assassinato, uma taberna onde se canta o fado em Xabregas, e amor, amor em catadupas, uma grande paixão, desencontros terríveis, equívocos inexplicáveis, reencontros inesperados.
A aventura vai das avenidas de Paris, à Rua Heróis de Quionga, ao Teatro Nacional de São Carlos, ao cais de Xabregas e a um cacilheiro que parte para Veneza deixando um cadáver para trás.

 

 

Hoje  vou vos falar de um livro muito interessante e com um conceito muito original (pelo menos para mim).Este livro é escrito por 7 pessoas e dividido por 14 capítulos (7+7). São apresentadas as personagens nos primeiros 7 capítulos e depois a história vai sendo desvendada em mais 7 capítulos todos sempre pela mesma ordem.

Em todo o livro não é identificado quem escreve o quê, assim sendo,  a melhor forma de descobrir é conhecer a escrita de cada um ( o que é um bom desafio!).

A diversidade de mãos faz com que tenhamos os livro rico em histórias diferentes, com personagens diferentes, que se cruzam na perfeição. Acho que poderemos considerar este livro um policial cómico com um tipo de humor que eu me identifico bastante.

Eu diria  que temos uma orquestra na literatura, uma vez que estão aqui reunidos 7 escritores a dar um grande espectáculo.

 

Deixo-vos aqui um pequeno excerto a minha personagem favorita: O Roda

984154_787655227936028_3294449119900615173_n.jpg

Quem não quiser comprar o livro e for de Coimbra pode sempre requisitar na biblioteca.  

 Um óptimo livro para dar como prenda.

2 comentários

Comentar post